11/10/2017 | 7h00m

É neste sábado

Sala Paulo Amorim recebe última edição do Festival de Cinema Acessível Kids do ano

Na sala de cinema, que fica na Casa de Cultura Mario Quintana, público com e sem deficiência visual pode conferir, de graça, exibição do filme Universidade Monstro.

Lauro Alves / Agencia RBS

Neste sábado (14), com a exibição do filme Universidade Monstros (2013), a Sala Paulo Amorim da Casa de Cultura Mario Quintana será tomada, novamente, por um público pra lá de especial. A exibição do longa integra a programação da terceira edição do Festival de Cinema Acessível Kids, que já lotou sessões em agosto, com Malévola (2014) e em setembro, com Meu Malvado Favorito (2010)

A proposta do festival é apresentar obras cinematográficas voltadas para crianças e adolescentes com três recursos de acessibilidade: audiodescrição, legendas e Libras. A audiodescrição permite ao público com deficiência visual (pessoas cegas ou com baixa visão) ter acesso aos filmes por meio da descrição dos elementos visuais da obra. Além disso, pessoas sem deficiência recebem vendas para fechar os olhos e assistir ao filme de uma maneira diferente. 

Ambiente democrático

 PORTO ALEGRE - BRASIL - Sessão do Festival de Cinema Acessível Kids na Casa de Cultura Mario Quintana. As obras do festival contam com os recursos de audiodescrição, legendas explicativas e Língua Brasileira de Sinais.(fotos: Lauro Alves)
Foto: Lauro Alves / Agencia RBS

No fim de setembro, a reportagem acompanhou a exibição de Meu Malvado Favorito, em uma Sala Paulo Amorim lotada - mesmo com um domingo ensolarado, que convidava para um passeio ao ar livre. 

De acordo com o responsável pela produtora Som da Luz, que organiza o festival, Sidnei Schames, um dos objetivos é promover sessões de cinemas absolutamente democráticas, que permitam que adulto e crianças com e sem deficiência visual consigam assistir aos filmes, sem nenhum tipo de preconceito, no mesmo lugar. E foi isso que a reportagem presenciou. 

Leia mais

Um dos espectadores mais empolgados era o aposentado Luis Francisco Rios Moreira, 59 anos, de Gravataí, que tem deficiência visual, ao lado da neta, Rielen, que não tem. Ansiosa pela experiência de assistir ao lado do avô, Rielen se mostrou tímida quando a reportagem lhe perguntou o que esperava do filme. Depois, optou por não usar a venda. Mas foi só as luzes do cinema se apagarem que ela, carinhosamente, relatava alguns trechos da animação para o avô, mesmo com os recursos disponíveis.

Leia mais

— É uma experiência que integra a todos, prova que todos podem assistir a esse tipo de filme. Já assisti a vários filmes nesse estilo, e seguirei vendo — afirmou o aposentado.

Um incentivo para um mundo melhor

Empolgado com o retorno de público - a organização estimou que a sala, com capacidade para 150 pessoas, tinha mais de 100 espectadores no dia 24 de setembro - Sidnei espera que a edição que ocorre neste fim de semana tenha o mesmo sucesso. Para 2017, ele espera repetir a iniciativa, que tem chancela da Unesco.

— O investimento na formação das crianças garante uma sociedade melhor no futuro. É notável a diferença na formação do adulto se, já na infância, houver a convivência e a troca entre crianças com e sem deficiência. E o Festival de Cinema Acessível Kids é um caminho que incentiva e possibilita isso — afirma.

Serviço

O que: última edição de 2017 do Festival de Cinema Acessível Kids, edição do Dia da Criança

Quando: neste sábado (14), às 15h

Onde: Sala Paulo Amorim, Casa de Cultura Mario Quintana, Rua dos Andradas, 736 

Quanto: entrada franca, e a sessão é aberta para o público em geral.